Colunistas  

   

Institucional  

   

Publicidade  

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   

ANDREA ROSADO

Criado em Quarta, 05 Dezembro 2012 02:01

andrea rosado

Azougue – Você era uma aluna aplicada ou pescadora de cola?

Andrea Rosado – Sem falsa modéstia, e sem também perder a humildade, uma aluna aplicadíssima. O famoso e simpático jardim de infância se deu no Colégio Alvorada e a partir daí eu convivi com a bonita marca do Colégio Diocesano Santa Luzia, exceto quando fui morar em Fortaleza e estudei no Colégio Cristhus, cursando o 1º ano científico. Olha só o que aconteceu: estreia na sala e de cara uma prova de matemática, com foco direcionado para logaritmo. Eu jamais tinha visto o assunto, aí, amigo, só deu para assinar a prova e de presente um zero e muitas lágrimas derramadas. Eu sempre costumei fazer do obstáculo um desafio, aí me competia ir à luta, como resultado no final do ano recebi uma medalha com o título de “melhor aluna da classe”. Retornei a Mossoró no final do ano 1980 e fui novamente abraçar o Colégio Diocesano Santa Luzia, posteriormente fui aprovada no vestibular do curso de Administração, onde conquistei o almejado canudo. Como bagagem cultural, tenho também pós-graduação, especialização em administração hospitalar e pós-graduação em gestão da qualidade total. Na verdade, eu sou uma eterna estudiosa e quando houver a real oportunidade, quero encarar o vestibular para Psicologia.

Azougue – Os primeiros passos profissionais como nasceram?

Andrea Rosado – Pelas mãos do meu pai Tasso Rosado, quando somava 17 anos e já vivenciava a extraordinária condição de mãe. O seu Tasso fez questão que eu atuasse em todos os setores da empresa Socel Indústria Salineira, fator que me enriqueceu muito. Paralelamente, fui sócia de Conceição Jales, numa loja de decoração e ambientação, que funcionou no Mega Shopping. Depois fundei a Águia Vídeo, com endereço a rua Felipe Camarão, exatamente em frente à igreja de São João. Para conciliar as atividades de mãe e o mercado empresarial, eu me levantava às 4h, executava as tarefas domésticas, deixava as filhas na escola e no final do dia a meninada ficava na casa dos meus pais e eu seguia para a faculdade e no retorno a minha residência ainda ia estudar. A verdade é que eu dormia no máximo 5h por dia. Essa rotina perdurou por vários e vários anos. Outro detalhe é que trabalhei na Secretaria de Planejamento quando da última gestão de Dix-huit Rosado e por dois anos vesti a camisa do Sebrae, ocupando os espaços de coordenadora dos cursos ministrados, quando recebi o sinal verde da minha transferência para Natal.

Azougue – Morar na capital estava nos seus planos?

Andrea Rosado – Sabe aquela estória de juntar a fome com a vontade de comer? As minhas filhas já estavam no científico e necessitavam de horizontes mais amplos. Abraçamos Natal e a gratificação de ter a minha filha mais velha, Luara, formada em Direito, Mariáh, estar concluindo o curso de Medicina e a mais nova chama-se Tainá, que pela manhã faz Administração e à noite Publicidade. Em Natal, fixamos residência por 10 anos, sempre com atuação no Sebrae e há 5 anos que estou no famoso vai e vem. Caby, vou lhe fazer uma confidência, mesmo tendo a certeza que vou levar uma bronca (risos), Mariáh não gostava do seu nome de batismo e por muitas vezes foi ao cartório com o objetivo de mudá-lo, ainda bem que ela não chegou aonde queria (risos).

Azougue – Em pouco tempo um autêntico desdobramento profissional?

Andrea Rosado – Sim e deve-se ao fato da minha família tem adquirido o controle da marca concessionária Volkswagen em Mossoró, isso em dezembro de 2007. Consegui conciliar o setor de RH da Socel Indústria Salineira, aliás, esse departamento foi implantado por mim. Tempos depois veio a empresa Terra Sal, que tem o domínio do símbolo da General Motors , em Currais Novos, Caicó e na nossa terrinha, e aí tive que me desligar do segmento sal.

Azougue - Qual a função que você exerce nas concessionárias?

Andrea Rosado – Eu sou diretora administrativa e procuro de todas as formas abrir espaços para todos aqueles que trabalham comigo. Eu vejo tudo e todos de forma igualitária e isso me faz aprender muito. Na verdade, esse é um valor familiar. Os meus pais sempre ensinaram, aliás, ensinaram e exigiam que Frediano, Gregório e eu estivéssemos sempre dispensando tratamento de completo respeito ao próximo e se, por ventura, um de nós deslizasse neste mandamento a bronca falava mais alto. Com eles aprendemos o que significa o real valor do cheiro de gente.

Azougue – Rosado, um sobrenome eternamente político. Você tem algum azougue por essa dinâmica?

Andrea Rosado – Eu gosto da emoção da política e traço alguma coisa nos bastidores. Agora entrar de cara no segmento, não. Eu não tenho energia para trilhar esses caminhos, principalmente com as mudanças comportamentais que o passar dos tempos nos apresentou. Sinceramente, eu não seria uma pessoa feliz.

Azougue - Ambições profissionais?

Andrea Rosado – Eu não sei se é ambição, ou simplesmente o desejo de sonhos realizados. O que mais quero é ver minhas filhas formadas, com estruturas emocionais para encarar o mundo, os sabores, dissabores, enfim para não se curvar nunca para as peças que nos pregam, não amolecer diante de uma indesejável gargalhada do destino e, acima de tudo, não esquecer que a “humildade” é a maior e melhor dádiva de Deus.

Azougue – Como é duas mulheres dirigirem 90 homens?

Andrea Rosado - Eu acho que toda igualdade é burra (risos). Chateia-me participar de uma reunião onde todo mundo concorda com o meu pensamento. Olha Caby, eu também, como vocês falam no rádio esportivo, DOU BICUCO. Não tem essa de só conversa, às vezes o couro come, de maneira bem amena (risos), mas come. Eu tenho a honra de trabalhar ao lado de Singrid, que é de uma competência comercial verdadeiramente fantástica. Tem um poder de negociação simplesmente divino. As nossas diferenças somadas aos valores do quadro de funcionários geram o sucesso da empresa Socel Veículos.

Azougue – O que irrita a Andrea Rosado?

Andrea Rosado – A injustiça.

Azougue – O que lhe deixa profundamente feliz?

Andrea Rosado – Terminar um dia de batalha e ver a felicidade estampada em todos aqueles que lutam dignamente por sua sobrevivência. Saio da empresa e falo sozinha: “Que dia lindo. Valeu. Obrigado, meu bom Deus”.

Azougue – Por quem você nutre uma profunda admiração?

Andrea Rosado – A minha ex-cunhada Irenilda Holanda. Ela já passou por muitas adversidades e consegue demonstrar uma fortaleza impressionante. É incrível a força do Deus que está com ela. Irenilda é aquela pessoa que cai, mas nunca fica no chão.

Azougue – Satisfeitos estamos. O azougue.com agradece.

Andrea Rosado – E você acha que a gente ia terminar este papo só com um até logo? Parabéns pelo que vocês vêm fazendo em prol da nossa bonita terrinha. Quando você, Caby,lança um livro eu chamo as minhas filhas e vou, folha por folha, dizendo: aqui está a cultura viva de Mossoró, aqui vocês encontram a verdadeira história de Mossoró. O trabalho na ampla divulgação da nossa terra merece todo o nosso carinho, atenção e respeito e eu me sinto tremendamente feliz em ser entrevistada pelo azougue.com.

Fim.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

   

Publicidade